A ética dos que não têm ética

0
1005
ÉTICA

Hoje vou começar o meu texto citando Andrew Breitbart “A luta é contra eles, eu vou apoiar qualquer candidato de direita, não importa, é nós contra eles. Se você não apoia nossos candidatos, você é uma vergonha para nosso lado. Se você não ajuda nosso lado por ter restrições ao candidato, você está do lado deles.” É assim que funciona a máquina de desinformação que está em pleno vapor nas mídias tradicionais e principalmente nas redes sociais. No Brasil, os conservadores estão vencendo a batalha da informação e a batalha das virtudes. Aos poucos, conseguem reagrupar as famílias e com isso ganham força para realizar a contra revolução cultural, necessária por evitar que a esquerda continuasse impondo suas verdades goela abaixo do povo brasileiro, sem contrapontos.

A ciberguerra intensifica a guerra informacional. Algumas matérias jornalísticas são baseadas totalmente nos números falsos divulgados por institutos de pesquisa sem comprometimento com a ética e a transparência. Um exemplo atual é o do condenado Lula na frente das pesquisas sobre intenção de voto, com o intuito de transformá-lo em perseguido político ou mesmo em validar uma possível fraude eleitoral em 2018. Por vezes, essas pesquisas de opinião mostram, de forma variada e sem consistência científica, valores muito diferentes da realidade. Outro exemplo são aqueles que entram nas redes sociais com o intuito de cometer qualquer tipo de crime, os mais comuns são o racismo e a difamação. Esses criminosos virtuais querem chamar a atenção pois a seguir vinculam seu post aos apoiadores de uma personalidade política, como Jair Bolsonaro. Para fechar o ciclo da manipulação, a mídia tradicional, aqueles engajados em desinformar, destacam em letras garrafais a veracidade do fato não comprovado, uma forma de tentar atestar a veracidade sem que qualquer verdade realmente resida no fato. Os apoiadores de Bolsonaro, no caso, ficam mal vistos e com a pecha de serem todos racistas e homofóbicos graças a estratégias desse tipo,

Não é de hoje que os artigos mais conservadores estão sob ataque. Podemos constatar a entrada de pessoas em grupos conservadores interessadas apenas em desqualificar e debochar do discurso da direita ou postar nesses grupos propaganda da vitória do Lula no próximo pleito, por exemplo, além de outras matérias importantes para a causa dos desinformadores. Uma coisa em comum que tais postagens da esquerda têm é o recorrente apelo à ética. Impressionante como o novo despertar da ética no Brasil se tornou contagiante. Esse valor aparece em todo cibertexto da esquerda, talvez para compensar a falta da mesma na vida real. Eles clamam pela ética em uma tentativa de esconder a própria falta dela. Destacam fatos que ferem a moral do povo ligados a outros partidos e políticos não por se sentirem indignados. Longe disso! Fazem isso de caso pensado, para desvirtuar o foco da opinião pública de si próprios e livrar os seus da condenação moral pelos cidadãos. Como se os malfeitos de uns pudessem anular os de outros. Chamam a atenção para a prisão de alguém do PMDB visando cair no esquecimento o pedido de prisão contra notório político petista.

A meta final da operação em curso é reabilitar eleitoralmente o PT. O Partido dos Trabalhadores, você lembra? Esse mesmo, aquele que assaltou e quebrou o Brasil e tenta até o fim jogar a culpa nos outros, no presidente interino, no eleitor que ainda não nasceu. O novo ataque, o escolhido da vez, é o Diretor-Geral da Polícia Federal recém empossado por Temer. Leva a pecha de que sua finalidade é acabar com a Lava Jato, que nem mais se encontra no âmbito da PF, além de proteger o Presidente. Os controladores da informação tentam a todo custo expor o novo Diretor da Polícia Federal, inclusive sua sua vida familiar, sem escrúpulo nenhum, aparentemente numa tentativa de obter um salvo-conduto, um milagre, a salvação divina… Estabelecem aliança espúria com a mídia para continuar conspirando contra nossa nação. Até quando vão continuar a confundir e mentir?

O importante para essa gente é criar o caos e deixar a opinião pública confusa. Existe um grupo não muito diferente dos petistas com relação à estratégia de desinformar, composto pelos intervencionistas. Eles querem que a população acredite na inevitabilidade da intervenção externa, de modo a impor um gestor mais confiável no comando do país. Sim, aqueles que pedem a intervenção militar conspiram contra o Brasil também. Ao serem liderados por pessoas sem conhecimento de causa, acabam se igualando aos petistas e seus satélites. Promovem discursos do tipo “fora todos”, inclusive agora contra Bolsonaro, com certeza de olho no pleito de 2018. Enquanto isso, a cúpula militar pede clima eleitoral tranquilo…

E eu e você o que fazemos em meio a tantas armadilhas? Como perseverar na luta cívica contra a corrupção sem ser iludido e enganado pelos que desejam, a todo custo, santificar Lula e eximir de culpa os envolvidos na Lava Jato? Talvez a resposta melhor que possamos dar ocorra somente em 2018, por meio do nosso voto.

Termino citando a Síndrome von Stauffenberg onde está progredindo para um número cada vez maior de conspiradores. “Uma Conspiração deixa de ser Conspiração, se der certo.”

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFinalmente a Polícia Federal tem um novo Diretor-Geral
Próximo artigoVamos lá…
Carlos Arouck
Agente de Polícia Federal - Bacharel em Direito - Licenciado em Administração de Empresas - Foi Instrutor Academia Nacional de Polícia - Palestrante na área de Segurança Pública - Fundador do Movimento Brasil Futuro (MBF) - Consultor de Cenários Políticos - Consultor de Estratégia de Segurança Pública

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here