Polícia Federal reclama de condições de trabalho em aeroporto de Guarulhos

0
203

Com a continuidade da pandemia da COVID-19, a gestão efetiva dos recursos humanos, com relação aos trabalhadores, busca racionalizar o uso de pessoal e reduzir o estresse das equipes que necessitem atuar em ambiente propenso à contaminação. Agentes da Polícia Federal lotados no Aeroporto Internacional de Guarulhos estão insatisfeitos com os novos procedimentos adotados pelo órgão quanto à detecção de drogas. Recente Instrução Normativa da PF prevê o encaminhamento de suspeitos estrangeiros de portarem drogas dentro do próprio corpo ao hospital para exames que confirmem o tráfico. Todos devem ser levados para o Hospital Geral de Guarulhos (HGG), até o preso expelir a materialidade. Esse mesmo hospital está cheio de casos do novo Coronavírus. Os policiais ficam expostos e a equipe sendo pequena, obriga a permanência frequente à unidade médica, realizando escolta. A área destinada aos suspeitos de traficar entorpecentes localiza-se perto da Infectologia.

Nesse contexto, os policiais esperam que o sindicato e as instâncias superiores adotem o mais rápido possível um conjunto de medidas necessárias à prevenção, controle e mitigação dos riscos de contágio, até que o estado de calamidade se encerre. Quanto às exigências de segurança e saúde, uma das orientações gerais para trabalhadores em função da crise sanitária atual é adotar medidas para diminuir a intensidade e a duração do contato pessoal entre trabalhadores e entre esses e o público externo.

Desde janeiro já foram apreendidos, no Aeroporto Internacional de São Paulo, 228 Kg de drogas com passageiros. É necessário que mais investimentos sejam feitos no setor, principalmente no que concerne aos recursos humanos, visto que o efetivo de que dispõe o Núcleo de Combate ao Tráfico de Drogas (NCTI), é insuficiente para a demanda, sobrecarregando a equipe.

Nota técnica da Fundação Getúlio Vargas, “A Pandemia de Covid-19 e os Policiais Brasileiros”, apresenta percepções dos policiais que atuam na linha de frente durante a pandemia. Um sentimento genuíno e comum que a crise tem incitado nos profissionais que atuam na “ponta” dos serviços públicos é o medo – que é sentido também por boa parte da opinião pública. Os dados da amostra permitiram inferir que 59,7% do efetivo de policiais no estado de São Paulo sente medo de contrair ou ter algum familiar contaminado pelo novo Coronavírus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here