Trocando de valores entre bem e mal persiste até hoje – Policial bom seria o policial morto?

0
98

A cidade do Rio de Janeiro ganhou as manchetes recentemente devido à violência urbana. Não seria novidade, se não fosse uma inversão entre as ideias de bem e mal que vem ocorrendo já há algum tempo e agora atingem seu ápice. A mídia insiste em atribuir às forças policiais atributos ruins como truculência e falta de preparo, enquanto trata os criminosos como vítimas da sociedade. Séries de televisão fazem sucesso com narrativas nas quais os bandidos são legais, a polícia é malvada e todos torcem para que ninguém seja pego ou preso. Imaginem isso na vida real, os cidadãos viveriam um caos que, com certeza, seria muito diferente dos filmes.

É importante deixar claro que a polícia tem diversas missões, como proteger as pessoas, fazer cumprir as leis, combater o crime e preservar a ordem pública. A grande maioria honra o compromisso que assume de bem cumprir suas funções e atua de forma disciplinada e disciplinadora. Aqueles que transgridem são responsabilizados por seus abusos, punidos e penalizados conforme a gravidade do ato cometido, inclusive com expulsão da corporação.

Mas o mesmo não ocorre em determinadas comunidades dentro da metrópole carioca. Existem lugares onde o Estado não consegue intervir e a justiça é executada por meio dos tribunais do tráfico, instaurados não raramente a partir de julgamentos feitos por celular em poucos minutos, sem contraditório nem ampla defesa, testemunhas ou recursos. Basta que as regras sejam descumpridas para que o veredito seja dado, por vezes, uma sentença de morte. A Lei do tráfico é a palavra do tráfico. E não são apenas os que “vacilam” que podem morrer. Qualquer cidadão corre risco de morte, até por motivos banais como errar o caminho e entrar por engano em uma área “restrita”; usar um símbolo da comunidade rival; mesmo um simples olhar pode ser visto como falta de respeito… tudo passível de ser pago com a vida. Àqueles que, no conforto de suas casas insistem em inverter os valores e criticar as forças de segurança por todo o mal que acontece, inclusive no decorrer das operações, que frequentemente se transformam em cenário de guerra, teriam coragem de visitar uma área dominada pelo crime organizado fardados como policial?

Uma das principais razões pelo aumento da letalidade nas operações policiais é a decisão que suspendeu as operações policiais no Rio de Janeiro desde junho de 2020, fruto da ação ajuizada por iniciativa do Partido Socialista Brasileiro (PSB). A mensagem que a ação enviou aos criminosos é que a posição deles é legítima. O crime organizado também teve tempo para adquirir armamento pesado, muita munição e até uniformes táticos e botas de combate, além de construir barricadas de concreto e outras defesas para o confronto com a polícia. A iniciativa formalizou a criação de um refúgio para o crime no Rio de Janeiro, provocando a migração de lideranças criminosas do país inteiro para o estado. Assim, operações policiais que deveriam ser rotineiras, agora enfrentam um exército de narco guerrilheiros prontos para a guerra.

A cobertura feita pela imprensa chegou a um ponto sem volta, inclusive de distorção da realidade. Na operação da Vila Cruzeiro, quando 23 pessoas morreram, alguns repórteres chamaram de “chacina da Vila Cruzeiro” e alegaram que a maioria dos mortos não tinha mandato de prisão. Nenhum policial sai de casa e se junta a outros para matar cidadãos em seu local de moradia. Tratava-se de uma ação de inteligência que já vinha sendo monitorada pela Polícia Federal. Quando equipes do BOPE e da PRF se preparavam para a incursão de madrugada, criminosos começaram a fazer disparos de arma de fogo. O confronto resultou em mortes – houve comentários na mídia que nenhum policial morreu, quase um lamento pelas vidas poupadas. Não deixa de ser um desrespeito ou esquecimento, uma vez que segundo levantamentos realizados, o número de policiais baleados e mortos aumentou em relação ao ano passado. Durante a operação no complexo da Vila da Penha, armamento pesado foi apreendido, prova de que atividades criminosas ali se desenvolviam. Eventuais violações já estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal.

Jornalistas, “especialistas”, intelectuais, artistas e todos que criticam a ação da Polícia no Rio nunca tiveram que enfrentar bandidos fortemente armados atirando em sua direção. Querem convencer a opinião pública que os marginais jamais abriram fogo covardemente contra agentes de segurança, marginais esses que, segundo suas próprias leis, queimam pessoas vivas em pneus, espancam, torturam, matam e esquartejam mulheres, além de outras práticas de fazer inveja a grupos terroristas internacionais.

A imprensa deveria se posicionar do lado do bem, daquele que é o garantidor da sua liberdade, do direito de ir e vir, protetor da sua propriedade e de sua vida, nunca do lado do mal, do criminoso, do traficante, do terrorista, daquele que segue suas próprias leis. Manchetes com aquela falsa equivalência tentando qualificar a conduta da operação como crime deveriam ser revistas. O lado do bem não pode ser comparado ao lado do mal, nenhuma sociedade justa pode aceitar tal comparação, uma vez que a ação se deu dentro do estrito cumprimento do dever legal.

Há alguns dias, dois policiais rodoviários federais no Ceará perderam suas vidas, assassinados por um homem em situação de rua. Muitos se perguntaram por que não reagiram e não enfrentaram o agressor que se apropriou da arma de um deles. Simplesmente porque eles defenderam seus empregos, não suas vidas e acabaram perdendo os dois. Na verdade, não reagiram por ter receio de usar a força e responder por tal decisão de um milésimo de segundo, para analisar e reagir. A difícil escolha pelo uso da força letal vem tirando a vida de muitos policiais porque quem ataca a polícia não hesita em matar.

Na operação na Vila Cruzeiro, os policiais em confronto de guerra tiraram a vida de marginais que não relutariam em matá-los. Viver diariamente o dilema entre proteger a sociedade, o emprego ou a vida é extenuante. É uma perversidade seguir relativizando o certo e o errado. Tratar marginais com extensa ficha criminal simplesmente como pessoas humildes e marginalizadas é criminalizar o próprio cidadão que, apesar das dificuldades econômicas, vive sua vida honestamente e hoje é refém dessas organizações. Os agentes das forças de segurança arriscam suas vidas diariamente para impor o bem: combater o crime e proteger inocentes contra o mal. É para cumprir a lei, não por diversão, que eles enfrentam todos os tipos de desafios, inclusive a demonização de parte da mídia.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMorrer no exercício da profissão – os desafios de ser policial
Agente de Polícia Federal - Bacharel em Direito - Licenciado em Administração de Empresas - Foi Instrutor Academia Nacional de Polícia - Palestrante na área de Segurança Pública - Fundador do Movimento Brasil Futuro (MBF) - Consultor de Cenários Políticos - Consultor de Estratégia de Segurança Pública

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here