Virtude de fachada – os esqueletos no armário do ex-juiz

0
83

Durante algum tempo, o Juiz Sérgio Moro, e em menor escala, o Procurador Deltan Dallagnol, foram elevados ao panteão dos heróis, com a ajuda da mídia e do imaginário popular. Enaltecidos, os dois passaram por um processo de glorificação, em especial nas redes sociais. Surgiram como os paladinos do combate à corrupção, como os salvadores da pátria, mas sem nunca terem um enfrentamento real no combate sistemático aos abusos e desvios de dinheiro público no Brasil. O passar dos anos e eles próprios com suas ações trataram de desconstruir essa ideia, e aos poucos a opinião pública conseguiu perceber o engodo dessa narrativa, sem sustentação se for submetida a um revisionismo histórico sério.

Tanto Moro quanto Deltan se aproveitaram do clamor popular pelo fim dos crimes econômicos que ocorriam sob um esquema envolvendo figuras públicas conhecidas, resultado das investigações da Lava Jato. O juiz e o procurador alçaram o status de figuras nacionais e internacionais, e criaram um projeto de poder bem qualificado, uma oportunidade para render dividendos em benefício deles mesmos e dos interesses que defendiam. Além de outras iniciativas.

As dez medidas contra a corrupção, por exemplo, um projeto criado em 2015 pelo Ministério Público Federal, diga-se Dallagnol, foi lançado na esteira do sucesso da Lava Jato junto à sociedade brasileira. As dez medidas se resumiam à apresentação de um projeto de lei de iniciativa popular ao Congresso Nacional no combate à corrupção, que na verdade buscava dar mais poder ao MP. A repercussão positiva fez, ainda, surgir a tal PEC da autonomia da Polícia Federal, uma falácia oportunista.

Já Moro, após assumir o super Ministério da Justiça e Segurança Pública, aparelhou-o ao seu modo, tendo nos cargos chaves os integrantes das operações do Banestado e da Lava Jato, que por coincidência eram as mesmas personalidades que não viam com bons olhos o Presidente da República. Ainda herói nacional e com apelo popular, o Ministro da Justiça tentou emplacar o pacote Anti-crime, porém não conseguiu evitar a desidratação no Congresso Nacional. Foi responsável por não levar adiante as pautas vencedoras nas últimas eleições presidenciais, por colocar o Presidente em saia justa com seu eleitorado, e esconder a sua real motivação para participar do governo, flertando com a oposição.

Agora fica mais fácil compreender a saída repentina de Moro da base governista. Respaldado pelo respeito da população por sua coragem demonstrada pelas prisões na Lava Jato, teceu planos maiores de colher os frutos de sua popularidade ao se candidatar à Presidência nas próximas eleições. Mas até as prisões da Lava Jato acabaram sendo anuladas aos poucos. Coincidência ou não, esse mesmo juiz esteve à frente da investigação do Banestado, o maior esquema de evasão de divisas para o exterior, que permitia a estrangeiros não residentes movimentar dinheiro no País, dispensando autorização prévia do Banco Central. E que foi enterrada, única CPI na história que não apresentou um relatório final. Sem a punição de possíveis envolvidos, de ministros a empresários da grande mídia, políticos, empreiteiros e doleiros.

Como os órgãos fiscalizadores não perceberam ou não acharam, no mínimo, estranha a movimentação de bilhões de dólares por um banco estadual? Qual a diferença ( e as semelhanças) entre o caso Banestado e a Operação Lava Jato? Lembra onde as duas investigações se passaram, na cidade de Curitiba? O juiz Sérgio Moro, juiz da segunda vara criminal de Curitiba, coordenou a operação que investigou sonegação de impostos, lavagem de dinheiro e evasão de divisas intermediadas por doleiros paranaenses na segunda metade dos anos noventa. Lembra dos doleiros? Toninho da Barcelona, e Alberto Youssef. Onze anos depois, em março de 2014, na fase inicial da operação Lava Jato, Youssef foi novamente preso por Moro. Foi constatado que ele era o principal operador das propinas que alimentavam o caixa das campanhas de inúmeros políticos.

O coordenador da força-tarefa do Banestado, procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, também atuou como procurador da força-tarefa da Lava Jato. A esposa, Vera Márcia, foi funcionária do antigo banco estadual alvo do escândalo à época. Outra coincidência: o procurador da República Deltan Dallagnol, à frente da Lava Jato, é mais um veterano do caso Banestado. Na ocasião, oito Procuradores da República, além de 20 funcionários da Procuradoria da República no Paraná, Delegados, Agentes e Peritos da Polícia Federal instalaram-se na sede do MPF, em Curitiba. A força-tarefa foi solicitada pelo MPF no Paraná ao então procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. Como o juiz Sérgio Moro e quatro procuradores da força-tarefa, os delegados federais Anselmo, Érika e Maurício Valeixo – este último indicado por Moro para ser chefe da PF – trabalharam nas duas operações. Valeixo era o delegado federal responsável, em 2003, pelo inquérito que apurava o uso de contas do banco paranaense em Nova Iorque na evasão de divisas sem o conhecimento das autoridades.

No cruzamento das operações do Banestado e da Lava Jato, quando bilhões de reais foram retirados dos brasileiros, há muitas figuras que se repetem, sendo a principal delas o ex-juiz Sérgio Moro, que interferiu de algum modo para o resultado apresentado – uma foi morta no nascedouro, a outra sucumbiu na Suprema Corte, uma era ligada ao PSDB, a outra ao PT, uma tinha como PGR Geraldo Brindeiro, conhecido como engavetador do FHC, a outra contou com alguns ministros do STF. No final, não importa a causa e o efeito das duas operações, e sim o que era ou deveria ser virtuoso e vitorioso no combate à corrupção sistêmica, mas que acabou livrando políticos, empresários e pessoas proeminentes de condenações necessárias para evitar a dilapidação de recursos públicos, frustrando as expectativas de um povo carente de justiça e heróis.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here